Eleição na Mangueira vai parar na justiça, Entenda o caso. | Alternativa RJ

A eleição para a presidência da atual campeã do carnaval, a Estação Primeira de Mangueira, virou caso de Justiça, numa reviravolta que põe em xeque até a permanência do carnavalesco Leandro Vieira na escola. Na última quinta-feira, a verde e rosa tinha anunciado ter apenas uma chapa inscrita. Mas um grupo de oposição, liderado por Percival Pires, ex-presidente da agremiação, entrou com uma ação para participar do pleito, no próximo dia 28, data em que a escola completará 91 anos.

Até o momento, a escola não foi notificada da decisão, segundo o presidente da comissão eleitoral, Moacyr Barreto. O grupo de oposição recorreu ao plantão judiciário e, de acordo com o sistema do Tribunal de Justiça, ainda não há decisão sobre o caso. Barreto afirma que a chapa de Percival teve o pedido de inscrição na eleição negado porque faltavam documentos exigidos pelo estatuto da Verde e rosa.


— Estamos aguardando uma decisão da Justiça. O que fizemos foi agir de acordo com o estatuto. Eles não tinham a ficha individual de qualificação. Todos os sócios que são candidatos precisam desse documento, que é onde constam as informações pessoais. Faltavam a do Percival Pires e a do candidato a vice, o Libério. Dissemos que não poderíamos receber. Está tudo registrado em ata — explica Barreto.

Percival já tentou retornar ao comando da agremiação em outras ocasiões. Em 2013, quando o deputado estadual Chiquinho da Mangueira foi eleito presidente da Verde e rosa, ele ficou em segundo lugar na disputa. Em 2016, uma nova tentativa também terminou sem sucesso, quando Chiquinho foi reeleito.
 
Top